Todos nós já ouvimos isso: “para emagrecer, basta comer menos e se exercitar mais”. Essa frase fica fácil de ser aceita porque parece obedecer um raciocínio lógico. É a lei da termodinâmica. Se eu gasto X calorias por dia para me manter, calculando meu metabolismo basal, e então se eu consumir menos calorias que X, diminuindo a ingestão de alimentos ou aumentando a quantidade que gasto com exercícios, vou emagrecer. E uma caloria é uma caloria. São iguais. E fica melhor ainda se eu tirar a gordura da alimentação, porque cada grama de gordura tem nove calorias, enquanto os outros macronutrientes (carboidratos e proteínas) têm quatro calorias. E o que acontece? Você emagrece mesmo na balança, mostrando que está no caminho certo.

Essa não é a pior parte. A pior parte é que você faz essa dieta “tradicional” hipocalórica, consegue por um tempo, mas vai diminuindo o ritmo do emagrecimento proporcionalmente ao aumento da compulsão e vontade de comer o mundo. Então, dá uma escapadinha de nada e começa a engordar tudo de novo – e, estranhamente, de uma maneira muito rápida, como se seu metabolismo estivesse… lento. E você, que já tinha problemas de autoestima por estar acima do peso, dá uma piorada dizendo que a dieta realmente funciona, foi por sua própria culpa que não se manteve nela. Não teve comprometimento, não “quis de verdade”, é fraca, glutona.

Não, nunca foi sua culpa. Você foi levada a crer em algo que os estudos já comprovaram que foi uma falácia criada nos anos 70. O medo da gordura, o excesso de carboidratos, comer de três em três horas, se matar na esteira porque exercícios emagrecem e calorias são todas iguais. Cada um desses itens merecem e terão um post dedicado, mas vamos falar sobre por que a Dieta Lowcarb é emagrecer sem parar de comer.

Um artigo do ano passado do NY Times mostra um estudo feito com os participantes do reality show The Biggest Loser, que passa no Brasil na TV a cabo. Nele, vários participantes, que são obesos mórbidos, ficam em um rancho para emagrecer com dieta tradicional hipocalórica e horas de exercícios extenuantes. Quem emagrece mais, ganha. E como emagrecem! Só tem um problema: logo eles engordam novamente em uma luta sem fim com a balança. Até comentam que, após anos de edições do programa, nunca houve um encontro entre os participantes que ficaram tanto tempo juntos e criaram muitos laços. Justamente porque eles engordam de novo e não querem se expor.

O motivo já conhecíamos: o estudo mostra que esta dieta não resolve o principal problema que leva uma pessoa a engordar tanto, que é o desequilíbrio hormonal. É uma dieta de fome, na qual o indivíduo tem que comer menos que gostaria para emagrecer e o metabolismo basal diminui drasticamente para preservar energia com a escassez de comida. Aí, a mesma quantidade de calorias que te fazia emagrecer começa a te fazer engordar. O estudo também demonstra que o mesmo não acontece em uma dieta de baixo carboidrato e até no jejum.

No equilíbrio hormonal, com o padrão de dieta a qual evoluiu para se alimentar sem o excesso de carboidratos e sem medo da gordura natural dos alimentos, o próprio corpo vai tratar de resolver o excesso de peso, uma vez que ele volte a ter acesso às reservas de gordura. Afinal, em uma dieta de baixo carboidratos, ele vai aprender a usar gordura como fonte de energia principal – e é por isso temos estoque de gordura e não de carboidratos. Depois de um período de adaptação que leva em média três semanas, assim como o organismo controla seu PH, temperatura, etc., ele vai também querer regular essa reserva trabalhando com o metabolismo e diminuindo sua fome.

Assim, respeitando a lei da termodinâmica, você vai emagrecer naturalmente, sem passar estresse porque comerá sempre que precisar. Até a compulsão vai diminuir, porque geralmente ela é por açúcar, farinha, etc. Nunca ouvi alguém dizer que tem compulsão alimentar e comeu muito alface por isso.

Coach Teco Mendes